28 de maio de 2011

LOJA SOCIAL DE BUSTOS, UM "OLHAR ATENTO"



«Olhar Atento» é logótipo da Loja Social de Bustos e marca de água de um Projecto de mutualismo a desenvolver por cinco alunas finalistas do IPSB (Colégio de Bustos).

A solidariedade entre vizinhos era ouro de lei. Ainda há poucas gerações sopa cozinhada em Bustos era entregue no Hospital da Misericórdia de Oliveira do Bairro. Hilário Francisco Ferreira segurava a panela na moto conduzida pelo o P. Vidal. Em 1963, Janeiro, o Jornal da Bairrada destacava a distribuição de “mais três meses o pão às crianças pobres” pela Associação das Amigas dos Pobres (de Bustos) … E há mais exemplos.

Actualmente, comissões especializadas no serviço da ‘caridade’ anunciam aos quatro ventos a ameaça de excluir ou de rejeitar cidadãos carenciados, porque não podem suportar os pesados encargos que têm para com o Estado …

Que falta está a fazer o P. Vidal, a União Liberal de Bustos, o P. Frei Gil, … Exemplos bem próximos de nós que mostrariam possíveis caminhos a calcorrear para cumprir a solidariedade, que alguns distinguem por fraternidade. …

Os tempos são outros… mas o cerne da praxis não mudou.

O Projecto que as cinco alunas finalistas do IPSB (Colégio de Bustos) abraçaram ultrapassa a simples ‘caridade’. É uma chave a abrir mais uma porta das relações intra-sociais.

Um lema de significativo alcance na via da construção de uma sociedade afastada dos consumismos está na não existência de dinheiro na transacção dos artigos expostos. A relação “comercial” é feita sob a forma de permuta.


A Loja Social realça também a componente solidária para com os carenciados, conforme a peça de Belino Costa publicada aqui.

A devida vénia

. a Ana Peres por dirigir o Projecto “Olhar Atento” e lançá-lo para fora da cerca do Colégio.

. às cinco alunas Ana Almeida; Andreia Costa; Inês Ferreira; Joana Dono; Maria Viegas por ansiarem pôr em prática o projecto fundamentado na solidariedade fraterna.

. à Junta de Freguesia de Bustos que proporcionou alguns meios indispensáveis ao levantamento do projecto.

. à Deolinda Costa e ao Basílio Crespo por cederem as instalações, ajudando a animar o centro de Bustos.

. aos (às) voluntários(as) que restauraram as instalações.

. aos (às) restantes amigos(as) da Loja.

27 de maio de 2011

LOJA SOCIAL VAI APOIAR CARENCIADOS



A “ Loja Social de Bustos” é um projecto do 12ºC do IPSB realizado em parceria com a Junta de Freguesia de Bustos, que se inaugura no próximo sábado pelas 14h30.

Objectivo:
Intervir junto da comunidade em geral, dinamizar um movimento de solidariedade colectiva, que estimule a doação e recolha de bens em excesso e permita a sua redistribuição
Para o seu funcionamento, a Loja Social recorrerá à colaboração de trabalho voluntário recrutado a partir do Banco de Voluntariado de Bustos – no princípio será Voluntariado do IPSB apoiado por duas voluntárias da Póvoa, Ditosa e  Dorinda.
Localização:
A Loja Social funcionará na Rua do Cabeço nº4 (mesmo junto ao Adro da Igreja Velha), em edifício cedido gentilmente pela dona Deolinda Costa.

Horário de funcionamento:
Terça e Quinta-feira das 17h00 às 19h00
Sábado das 10h00 às 12h00

Missão:
Este espaço destina-se a receber produtos não perecíveis (ver lista de exemplos) que serão distribuídos por famílias carenciadas em função das suas necessidades. A avaliação de carência é feita por uma  comissão, conforme regulamento existente na Loja.
Os beneficiários da Loja Social só podem usufruir da mesma, uma vez por mês, salvo em situações de emergência devidamente justificadas por diagnóstico e recomendação de um Técnico de Serviço Social
Cada beneficiário poderá usufruir mensalmente, até ao máximo de 2 artigos do mesmo tipo e fim, e até um limite de 5 a 7 unidades, independentemente da natureza das mesmas.

Exemplos de produtos que poderá oferecer:
- Têxteis (lar e vestuário);
- Calçado e acessórios;
- Ferramentas e utensílios de uso doméstico;
- Livros, material escolar;
- Brinquedos, material didáctico e lúdico;
- Mobiliário, electrodomésticos e artigos de decoração;
- Produtos de higiene pessoal e doméstica;
- Produtos alimentares não perecíveis;
- E ainda, quaisquer outros bens oferecidos, compatíveis com os fins da Loja Social e as suas condições logísticas e operacionais, e se encontrem em boas condições de conservação, qualidade e apresentação para serem reutilizados.
Colabore!  Seja solidário.

26 de maio de 2011

ANIMAÇÃO DE FIM DE SEMANA


Dia 28

10h00-treino livre de minigolf
16h00- torneio de minigolf
Torneio de malha
Jogos tradicionais
Insuflável
22h00 – karaoke

 Dia 29

14h00-  II Mostra de Vinhos de Bustos
Gastronomia
Música e dança
Tendinhas
Insufláveis

Manuel Pires Simões dos Reis, «Ti Manuel Carteiro». NA MEMÓRIA DE BUSTOS

No pretérito dia 13, Manuel Pires Simões dos Reis entrou, com 81 anos, na Galeria da Memória de Bustos.

Teria cerca de 24 anos quando foi colocado na estação dos Correios de Bustos. aqui desempenhou as tarefas de giro com zelo, dedicação e eficiência. [De lembrar que naquele tempo as portas das casas ainda não tinham nº de polícia]. Com naturalidade, granjeou inúmeras amizades em Bustos.

Quis o acaso reunir um corpo de funcionários na “nossa” estação dos Correios que deixaram uma marca indelével bem servir as populações: O quase esquecido chefe de estação Eduardo Santos, os carteiros Manuel Pires dos Reis (de Paradela), Manuel “Serralheiro”, já nosso conhecido benemérito da Biblioteca, Rui “Carteiro” que exerceria o ofício na Mamarrosa, e outros. Mais protagonistas que passaram pelos Correios, merecem ser recordados, cito apenas D. Ercília Silva, (irmã da D. Zairinha), D. Armando Belo (Aveiro), Martinzinho (?), Sr. João ... , etc. E também há um sector que não pode ser descurado: o Pessoal da Limpeza.

A qualidade do serviço prestado na estação foi superiormente reconhecida, as placas d almoxarife do ano (?) atribuídas durante a chefia do Sr. Eduardo dos Correios. As placas desapareceram, mor motivo de obras. É o costume. ….

Hilário Costa imortalizou os dois Amigos e companheiros de Ofício:”«…os carteiros Manuel Martins e Manuel Reis estão perfilados para serem fotografados, no ano de 1954, quando principiaram ao serviço do correio: há precisamente 30 anos. E agora, por cortesia, me cederam esta fotografia.”(1)

Manuel Ferreira, bustuense por afinidade, em traço escorreito trouxe-nos o retarto de Manuel Pires dos Reis : «O “Ti Manuel Carteiro”, como era conhecido, era um homem bom, sempre pronto a colaborar em tudo o que pudesse engrandecer o lugar. Para além de ter sido sócio-fundador do S. C. Paradela, sempre que se lhe batia à porta, estava pronto a ajudar.” (2)

As condolências a António Marques dos Reis e Fernando Marques dos Reis e demais família.

_________________

(1) Manuel Ferreira, Bustuense por afinidade, Correspondente de Paradela (Águeda) do jornal "Região de Águeda", (18.05.2011).

(2) Hilário Costa, Memórias de um bustoense, 1984.


25 de maio de 2011

ADERCUS EM AVEIRO

Carla Martinho e o iniciado Daniel Moreira foram os atletas da ADERCUS que mais se destacaram num fim-de-semana de competição na pista, marcado também pela boa prestação geral dos restantes atletas.

Decorreu em Aveiro, no sábado à tarde e no domingo de manhã, a fase distrital do torneio Olímpico Jovem, destinada aos atletas dos escalões de iniciados e juvenis, com provas de todas as especialidades da modalidade.


CARLA MARTINHO [Sénior, treina nos 5000 metros]  

Carla Martinho, atleta sénior da ADERCUS, aproveitou a prova extra de 5.000m, para testar o seu momento de forma, tendo sido a vencedora, com a marca de 17min36seg. Sem oposição directa, a atleta correu em contra-relógio, dobrando as restantes atletas com voltas de avanço, na tentativa de realizar a melhor marca possível.
Luís Rodrigues, atleta iniciado, estreou-se em competições oficiais, na corrida de 80m planos, tendo sido o 2º classificado da sua série, com a marca de 10,47seg, que o colocou no 5º lugar da classificação geral. O atleta participou também na prova de salto em comprimento, na qual foi o 7º classificado, com a marca de 5m14cm.
Nos lançamentos, o juvenil José Ferreira foi o 4º classificado na prova de lançamento do dardo, com a marca de 21m90cm, e 5º no lançamento do peso, com 8m93cm.



DANIEL MOREIRA [iniciados, 1000 metros] bate marca pessoal.
Nos 1.000m para iniciados, Inês Silva melhorou ligeiramente a sua melhor marca, tendo sido a 10ª classificada, com o registo de 3min38seg. Nos masculinos, Daniel Moreira, foi o 2º classificado, com a marca de 2min42seg, que passou a ser mais uma vez o seu record pessoal na distância, tendo melhorado em todas as competições realizadas. José Costa foi o 8º, também com grandes progressos, com 2min59seg, Márcio Gouveia foi o 14º, com 3min09seg, e em 19º classificou-se Dmytro Bondarenko, com 3min30seg.

Por fim, o sénior Vitor Ramalho participou na prova extra de 800m, tendo sido o 7º classificado da sua série, com a marca de 2min07seg.
(info e fotos ADERCUS)
___________________
nota do editor: Mais informação de Atletismo,   ADREP aqui 

23 de maio de 2011

MOSTRA DE VINHOS

A J.F de Bustos organiza anualmente uma mostra dos vinhos dos vários produtores locais. Este ano a mostra realiza-se no próximo domingo, dia 29, entre as 14h e as 19h.

Para participar, basta adquirir uma caneca alusiva e percorrer as tascas que se queira; o vinho é oferecido pelos produtores.
Este ano vão ainda marcar presença associações locais, que tratarão de preparar uns petiscos para acompanhar as provas. O montante angariado pela venda dos petiscos reverte para a respectiva associação.

Aparece e não deixes de ir petiscar ao balcão da ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO JARDIM-DE-INFÂNCIA, E.B.1 DE BUSTOS E E.B.1 DA QUINTA NOVA!!

Milton Fontes
via Facebook

21 de maio de 2011

BUSTOS: Dr. Assis Rei "Fazer aniversário é ...."


11.05.2011 (… e vão 90)
FAZER ANIVERSÁRIO É …
OLHAR PRA TRÁS COM GRATIDÃO E PRA FRENTE COM FÉ …
(M P DUARTE)

O Dr. Assis Rei fez a revisão dos 90 mil. Sujeito a “check in” mostrou que ainda tem pulmão para se juntar ao “rancho” de Bustos ir de abalada até à Praia de Mira comprar cestadas de sardinha para a salmoura … [Aqui está um Quadro que tem escapado à etnografia local]. Bem. Prefiro continuar a ver o Dr. Assis, escondido na sua enciclopédia dos afectos, a despontar as memórias com o seu brilho nos olhos.

Um momento com sabor a torrão de Alicante aconteceu na também sua Biblioteca da Freguesia de Bustos, ouvir uma antiga aluna, hoje emigrante nos USA, a debitar, correctamente e com alegria, uma longa definição de um termo específico da ecologia.

Na viagem fugaz aos tempos da Coimbra dos Doutores, o sorriso e a emoção espalham-se pelos convivas. O livro de Curso de Finalistas de Farmácia da Queima das Fitas’1952 foi o oráculo da sua buena dicha.

A caricatura do livro de Curso retrata com fidelidade o ser e o estar do Dr. Assis. Repúblico da extinta «Já Está», situada na demolida Coimbra velha da alta, ajudou a instalar a «Clínica da Alta» onde o humor e lazer não ficavam atrás da engenharia dos petiscos. Na altura usava-se o termo tão nosso e esquecido de «Merenda»…

Há nomes incontornáveis da Via Láctea do Dr. Assis que constam nos anuários de Bustos. Apenas alguns: … Augusto ‘Serafim’, Dr. Fernando Peixinho, Dr. Jorge Micaelo e dos que já partiram: Dr. Heitor Ferreira; Dr. António Vicente; Madeira (de Cantanhede), Santos dos Seguros (Aveiro), Manuel da “Barroca”, Pompeu Aires, Aires ‘Gordo’, Manuel Joaquim ‘Ferrador’, Manuel Serafim, Eng.º Néu Pato, Ilídio Moreira «Sardinheiro» e tantos outros ... Dos novos, há um núcleo duro que se mantém discreto.

No Livro da Queima das Fitas, o seu “muito Amigo Irmão e Padrinho” António teve dedicatória especial de agradecimento. Justo.

Deixando o espírito coimbrão para as calendas de outrem, o Dr. Assis cedo se apercebeu dos perigos da ‘magia’ da penicilina. O uso indiscriminado deste antibiótico em Bustos foi objecto de estudo por parte de um laboratório estrangeiro. Há dias, em conversa com uma senhora de provecta idade recordava: "Foi o Dr. Assis que descobriu que eu era alérgica à Penicilina"... “Só quem passou por essa alergia é que poderá saber o sofrimento que passou”.

“O Eng. [Néu] Pato e o Dr. Acácio [Azevedo] aparecem-me na Farmácia e após as apresentações, o Dr. Acácio convida-me a ocupar esse lugar” (1) [professor no Colégio de Oliveira do Bairro]. De uma substituição a termo certo passou a ocupação definitiva. Ainda hoje o nome do Dr. Assis Rei continua a ser recordado pelos seus antigos alunos.

A circunstância do Dr. Assis Rei ser Prof. no Colégio de Oliveira do Bairro, contribuiu para que a Câmara Municipal de Oliveira do Bairro tomasse conhecimento das preocupações financeiras da Biblioteca Fixa da Calouste Gulbenkian ter porta aberta e que levou a atribuir uma pequena verba à “Comissão de Melhoramentos” de Bustos. A carteira do benemérito Dr. Assis Rei passava a ter menos uma preocupação.

Mais tarde, ainda antes de haver Colégio em Bustos, o Dr. Assis Rei foi um dos protagonistas de um grupo que prendia obter o ALVARÁ para o Colégio. Foi um trabalho ‘clandestino’, para tentar iludir a concorrência (de Oliveira do Bairro). A decisão não pendeu a favor de ‘Bustos’ apenas por ter surgido uma qualquer questão lateral ao processo, diz-se. A sociedade vencedora instala o Colégio Gil Vicente em terrenos do Dr. Manuel dos Santos Pato, cujo valor foi transformado em cota.

A Obra Frei Gil adquire o colégio. Transforma-se em Instituto de Promoção Social da Bairrada (IPSB). A instituição cresce e vê-se na necessidade de criar um amplo e coberto Pavilhão Gimnodesportivo. Projecto elaborado. Escolhido local. O acto de lançamento da 1ª Pedra escreveu mais uma página na História do IPSB. Todos estavam “felizes e contentes”…

Todos, não, … com excepção do Dr. Assis Rei “… um dos protagonistas e operário da sua construção – insurgiu-se de tal maneira que a implantação da estrutura teve de ser deslocada” (2). O local que tinha sido escolhido iria ofuscar a parte da frente do IPSB.

O Dr. Assis não esteve alheio à consolidação do Futebol em Bustos. Trouxe o apport acumulado no tempo em que foi director da secção de futebol da Associação Académica de Coimbra: “A Briosa” (s. e. criado pelo Dr. Manuel dos Santos Pato (Mamarrosa/Barreira).

O aparecimento dos Juniores foi o reflexo da sua persistência e do crer de um grupo de associados da jovem União Desportiva de Bustos.
Mais um pormenor já esboçado em outro momento:
O 5 de Outubro e o 18 de Fevereiro eram datas republicanas que o “reviralho” aproveitava para fazer alguma campanha de oposição a Salazar. O programa das comemorações começava com uma salva clandestina de tiros de foguetes.
Estes eram guardados pelo Augusto Serafim, por ex, e de madrugada, o Manuel Joaquim «Ferrador» e o Dr. Assis eram os fogueteiros. Este episódio e outros merecem ser mais pormenorizados.


Dr. Assis!, ... O sábado, 14 de Maio selou com pompa o grande Aniversário.

O clã Audete – Assis esteve em pleno, a que não faltaram os ramos mais viçosos da árvore genealógica. Amigos de várias vizinhanças e de duras 'routes' partilharam o calor emergente da Festa.



As fotos, que não estas, ajudarão a escrever a entrada na próxima década…
Um abraço de parabéns.
(2) in Bustos – do Passado e do Presente.

"A PETISQUEIRA" (BUSTOS) - - UM REGISTO


Não fazemos amigos, reconhecemo-os.

(Vinícius de Moraes)

19 de maio de 2011

ADERCUS NA PRAIA DE MIRA – JOÃO, DANIEL E MIGUEL VENCERAM

Decorreu no domingo de manhã na praia de Mira, o 3º Grande Prémio de Atletismo, que foi uma organização conjunta do Centro Cultural e da Câmara Municipal, com o apoio do comércio e indústria local.

A ADERCUS esteve presente com a participação de atletas nos vários escalões e com muitos deles a conquistarem lugares de destaque, desde os Benjamins aos Veteranos.


BENJAMIN JOÃO FERREIRA VENCE ISOLADO

Na prova de Benjamins femininos, disputada numa distância de 800m, Luana Ferreira e Beatriz Marques subiram ao pódio, no 2º e 3º lugar, respectivamente. Seguiram-se os Infantis, prova de 1.500m, na qual o jovem João Ferreira assumiu a liderança desde os metros iniciais, para cortar a meta isolado, enquanto no sector feminino, a ADERCUS alcançou o 2º lugar colectivo, com os contributos de Salomé Sousa, 8ª classificada, Ana Alves, 11ª, Iara Oliveira, 12ª, e Sara Freire, 16ª.


INICIADO DANIEL MOREIRA VENCE COM MARGEM CONFORTÁVEL

Nos Iniciados, Daniel Moreira isolou-se à entrada para a segunda, de duas voltas, da corrida de 2.000m, para cortar a meta com uma margem confortável sobre a concorrência. Um pouco para trás, Márcio Gouveia foi o 7º classificado, José Costa, 8º, e Dmytro Bondarenko, 11º, contribuindo para a vitória colectiva. Entre os femininos, a iniciada Inês Silva conquistou um brilhante 2º lugar e Joana Gomes cortou a meta como 9ª classificada.


JÚNIORES MIGUEL GOUVEIA E DÉBORA SANTOS (S. L. BENFICA) VENCEM

Na corrida principal, de 7.200m, para Juniores, Seniores e Veteranos, o Júnior Miguel Gouveia foi o vencedor, enquanto entre as femininas a vitória sorriu à bairradina Débora Santos, que representa o Sport Lisboa e Benfica. Em Seniores, Sara Carvalho foi a 4ª classificada, a escassos 7 segundos do último lugar do pódio, enquanto nos masculinos, o atleta amputado Pedro Guerra foi o 24º, e nos Veteranos, de 1º escalão, Fernando Silva foi o 10º classificado.

JÚNIOR RUTE SILVA – 2º Lugar em ATÃES (GUIMARÃES)

Na mesma manhã, em Atães, situado em Guimarães, disputou-se a 2ª etapa da Taça de Portugal de corrida de montanha, prova na qual a Júnior Rute Silva repetiu o 2º lugar alcançado no Cross de Montanha da JOBRA, da 1ª etapa.

Gil Ferreira correu no sábado à tarde, no Centro de Estágios do Luso, o campeonato distrital e das Beiras de 10.000m, tendo alcançado o 5º lugar do distrital e 6º do Agrupamento das Beiras, com a marca de 32min46seg.

(ADERCUS)

18 de maio de 2011

GAROTA DE IPANEMA: UMA CANÇÃO, UM BAR, UM CAPÃO DE BUSTOS


Vinicius de Moraes tinha por bom hábito saborear as horas, entre bicadas no whisky, sentado a uma  mesa com vista sobre a rua, melhor dizendo, sobre um cruzamento, num bar chamado Veloso, no bairro de Ipanema do Rio de Janeiro.      

Corria o ano de 1962. O Veloso era mais do que um bar de esquina, era “o escritório” de Vinicius de Moraes e Tom Jobim. Ali se acertavam projectos, se discutiam ideias, se curtiam os desamores e festejavam sucessos. Ali acontecia de tudo um pouco e, vezes houve, em que surgiram letras e melodias que haveriam de se transformar em canções. Ali, para além do mais, matava-se a sede.  


Contam os entendidos que Vinicius e Jobim tinham gravado Menina que Passa, mas não lhes agradava a letra falando de uma menina cansada de tudo, tão sem poesia, tão sem passarinhos.
Terá sido por causa desses versos falhados que o poeta se encheu de brios, mas foi  uma rapariga em biquíni, Heloísa Eneida Menezes Paes Pinto, então com 17 anos, que inspirou Vinicius a  escrever A Garota de Ipanema. A visão da menina caminhando entre a praia e a casa, temperada com um trago fresco na varanda do Veloso, levaram o poeta a escrever versos imortais:

Olha que coisa mais linda
Mais cheia de graça
É ela menina que vem e que passa
Num doce balanço
Caminho do mar (…)

A canção ultrapassou fronteiras, ganhou estatuto internacional, transformou-se num ícone do Rio de Janeiro. De Frank Sinatra a Madonna, passando pela Marisa, tem sido muitas as vozes que deram renovadas vidas a Garota de Ipanema. Tudo isto é conhecido, mas o que o Google ainda não sabe, é que no meio de toda esta história aparece um bustuense, rapaz nascido na Azurveira, de seu nome Manuel Capão.


No decorrer dos anos sessenta, a exemplo de tantos outros portugueses, Manuel Capão pensou em emigrar para a Venezuela. Mas antes desse grande passo decidiu visitar o Rio de Janeiro. O encontro com a cidade maravilhosa foi de tal forma bem sucedido que adoptou a cidade, aceitando sociedade num bar chamado Veloso, o “escritório” para onde telefonava Frank Sinatra quando precisava de falar com Jobim.

Passaram os anos e Manuel Capão, conhecedor da importância da canção para a música e culturas brasileiras, num acto de grande visão empresarial, mas também de sentida homenagem, rebaptizou o Veloso chamando-lhe Garota de Ipanema. Um simples gesto e transformou o bar num símbolo carioca, numa referência obrigatória dos guias turísticos, em autêntico local de peregrinação. Também a rua Montenegro mudou de nome, passando a designar-se rua Vinicius de Moraes.

A visão e o espírito empresarial de Manuel Capão levaram-no depois a multiplicar Garotas pelo Rio de Janeiro. Garota da Urca, Garota do Flamengo, Garota de Copacabana, etc. Outras Garotas foram abrindo portas e, em algumas delas, a presença destacada da bandeira portuguesa deixa bem claro que, sendo carioca, esta Garota é também portuguesa e tem raízes em Bustos. Ou, como diria Manuel Capão, tem picanha da boa, mas também serve bolinho de bacalhau.

 Belino Costa